Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

X
"O luto na Comunidade Cigana"

09/04/2020

Na comunidade cigana o luto continua a ser uma tradição muito importante. Os ciganos acreditam na vida após a morte e seguem vários rituais em homenagem aos mortos. Ainda hoje a duração do período de luto depende da proximidade com o falecido. O luto pelo marido ou pelo filho, por exemplo, costuma durar a vida inteira da viúva ou da mãe, embora atualmente o processo de luto já não ser igual ao que era antigamente, mas continua a ser uma tradição bem guardada.


Antigamente, as mulheres ciganas precisavam vestir roupas pretas e compridas durante anos, cortar o cabelo curto, usar um lenço preto na cabeça e “carregar” o luto para toda a vida. Durante semanas, segundo normas da comunidade, nem banho podiam tomar. Já os homens não podiam cortar a barba e tinham que usar chapéus, além do tradicional traje preto. Hoje, muitas mudanças já ocorreram e as regras estão mais flexíveis, existindo mulheres que ainda usam o lenço preto na cabeça e outras que já só vestem roupa preta.


O luto cigano é de um rigor extremo, além das vestes negras e compridas, que são as mesmas quer de verão ou no inverno, as mulheres também não podem usar brincos ou qualquer adereço, nem qualquer tipo de maquilhagem. Durante esse período não podem ver televisão, nem ouvir música, não podem beber bebidas alcoólicas, nem frequentar cafés ou festas. Quando termina o luto, todas as roupas usadas são deitadas fora, pois as mesmas não podem ser guardadas.


Para os Ciganos, a morte ou luto pelo desaparecimento de uma pessoa da família, dura em geral muito tempo. Os ciganos acreditam na vida após a morte e seguem todos os rituais para aliviar a dor dos seus antepassados que partiram. Costumam colocar no caixão da pessoa morta uma moeda, para que ela possa pagar a travessia do grande rio que separa a vida da morte.


Antigamente, costumava-se enterrar as pessoas com bens de maior valor, mas devido ao grande número de violação de túmulos, este costume já teve que ser modificado.


Os ciganos da Europa, acreditam que quando se escuta um pio de uma coruja distante é sinal que uma pessoa muito próxima irá morrer, porém se o pio da coruja é alto e forte, uma pessoa distante passará entre os mundos dos vivos e
dos mortos.

Quando uma pessoa anciã de uma família cigana está muito doente e se prevê que a sua morte esteja próxima, são avisados todos os seus parentes, não importa onde estejam. A vida, a doença e a morte do mais velho é prioridade sobre todos os outros assuntos e entre todos os membros da comunidade cigana. Neste caso, várias providências serão tomadas em favor do doente.
O doente nunca ficará sozinho, até ao seu último suspiro. Este momento é de muita união dentro da comunidade, onde todos ajudam. 


Quando acontece a morte, os ciganos acreditam que o seu espírito ficará entre o mundo dos vivos e dos mortos até que seja feito o enterro. Depois do enterro, todos participam nos rituais da Pomana (feito após a morte e enterro) este ritual é em homenagem ao morto. Nesse ritual, todas as comidas prediletas da pessoa falecida serão servidas de forma cuidadosa, preparada e decorada para tal evento e o lugar do morto estará assegurado na mesa. A partir desse momento, o morto será lembrado e a sua memória reverenciada por todos, afinal eles acreditam, que o espírito da pessoa morta, continue a proteger a família.

Newsletter Amato Lusitano - Associação de Desenvolvimento
Receba em 1ª mão todas as novidades!