Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

X
"O papel da Mulher na Comunidade Cigana"

03/04/2020

“As minhas filhas não são como foi a minha mãe”, é o que muitas vezes ouvimos na comunidade cigana albicastrense. As vestes mudaram, o vocabulário também, o nível de estudos e a convivência com os não ciganos, tudo isso são fatores que influenciam as mulheres ciganas de hoje em dia.


Mas as tradições e os costumes desta comunidade ainda continuam bem enraizadas e presentes nos dias de hoje, sendo um povo predominantemente orgulhoso das suas raízes e cultura. Na verdade, a mulher tem um papel fundamental na coesão familiar e na transmissão da cultura cigana aos filhos e é através dela que as tradições se
mantêm e passam de geração em geração.


Uma das tradições milenares nesta comunidade é o facto da mulher se guardar virgem até ao casamento, sendo exemplar no seu papel de esposa e mãe, o que a leva a ser muito respeitada dentro da comunidade.


Os ciganos honram muito a sua cultura, sendo que na maioria dos casos, as mulheres jovens encontram o amor dentro da própria comunidade, com raras exceções. O desejo de preservar a cultura cigana é tão grande que os casamentos entre primos e primas são muito frequentes.


A mulher deve casar virgem. Mas o que acontece com uma cigana que não se mantém “intocada” antes o casamento? Ela será considerada uma mulher suja, que contamina a comunidade e correrá o risco de ficar solteira para o resto da vida: nenhum cigano irá contra as regras da comunidade para se casar com uma mulher que se entregou antes da hora.


Aliás, a idade média para o casamento é de 15 a 16 anos para mulheres e 18 a 19 anos para homens, e, segundo a tradição, o casamento deve durar a vida toda. Uma cigana casada não pode sequer pensar em divórcio. Na comunidade cigana, segundos casamentos não são bem-vindos e ainda assim, muito raramente algumas mulheres se separam dos seus maridos.


Desde tenra idade que a rapariga ajuda a mãe nos trabalhos domésticos e a criar os irmãos mais novos. A menina que cresce numa comunidade cigana é cercada desde cedo por regras ditadas pelos pais. É claro que esse sistema está presente na maioria das outras culturas, mas entre os ciganos, os pais (e especialmente o pai) têm grande autoridade e a filha deve respeitar e agir em conformidade com as suas ordens. 
Quando a menina cresce, é autorizada a sair de casa apenas se estiver acompanhada  por outros membros da família, tais como irmãs, irmãos, tias e tios. 


Muitas vezes são os pais quem escolhem o marido para a filha, sem levar em conta a opinião da jovem. Casamentos arranjados são muito comuns entre os ciganos e quando os pais entregam uma cigana em casamento, ela será obrigada a honrar e obedecer ao marido da mesma maneira que fazia antes em relação aos pais.


Em contrapartida, os meninos da comunidade têm muito mais liberdade: podem sair de casa sozinhos, escolher uma namorada, etc.


Ainda que pouco reconhecido, o papel das mulheres ciganas é importantíssimo pois desempenham um papel fundamental no processo de evolução social do povo cigano. As mulheres ciganas são o fio condutor para a evolução de toda a cultura cigana e passa por elas a abertura da comunidade à sociedade envolvente. O processo é moroso, mas o caminho está a ser percorrido.

Newsletter Amato Lusitano - Associação de Desenvolvimento
Receba em 1ª mão todas as novidades!