Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

X
Crónica: A Voz do Cigano - A Língua Romani

01/01/0001

Atualmente a maior parte dos ciganos da Península Ibérica falam o português e 

o espanhol, embora os mais velhos continuem a falar a língua romani, tratando-se 

da expressão mais evidente da identidade cultural da comunidade cigana. 

Estudos linguísticos confirmam que o romani é uma língua de origem indiana. 

Ao longo de centenas de anos, os ciganos do sul europeu tentaram preservar a sua 

língua original, mas a língua foi-se perdendo aos poucos, graças às perseguições 

dos povos dominantes, que determinaram a sua proibição. 

 

O romani é o único idioma não territorial que, até recentemente, se mantinha 

ágrafo e era passado exclusivamente de forma oral, permitindo que ciganos de todo 

o mundo possam comunicar entre eles, unindo assim todos os membros desta 

comunidade. 

 

A história, a cultura e a literatura cigana percorrem gerações, contadas 

oralmente, de boca em boca. É uma cultura ágrafa, dado que se trata de uma 

tradição oral, pois os ciganos não escrevem a sua história, nem a sua língua. 

O termo “cigano” é uma expressão criada na Europa do Século XV para designar 

os povos nómadas. O desconhecimento que as pessoas têm dos ciganos faz com 

que sejam vistos de um modo estereotipado. Muitos motivos poderão estar na 

génese desta particularidade, no entanto, uma das realidades inquestionáveis é 

que todos nós, quase sem exceção, já testemunhámos situações em que a 

aplicação do termo assume um caráter preconceituoso e discriminatório. Assim, o 

termo “cigano” é considerado pejorativo na sociedade. 

 

Em Portugal, por preconceito, o nome cigano é muitas vezes associado a 

qualidades negativas. Esta razão deve-se ao seu antigo nomadismo, ao grande 

apego que têm à liberdade e à forte tradição cultural que influencia a forma como se 

relacionam com as instituições da sociedade envolvente. 

Hoje, a expressão “cigano” é evitada, sendo preferida a expressão adotada por 

vários movimentos de afirmação desta etnia – a expressão ROMA. 

Distinguem-se pelo menos três grandes grupos: 

 

Os ROM que falam a língua romani e que são divididos em vários subgrupos, 

com denominações próprias, como os Kalderash, Matchuaia, Lovara, 

Curara, etc. São predominantes nos países balcânicos, mas a partir do 

Século XIX migraram para outros países europeus e para as Américas; 

 

Os SINTI, que falam a língua sintó e são mais encontrados na Alemanha, 

Itália e França, onde também são chamados Manouch; 

 

Os CALON ou KALÉ, que falam a língua caló, tidos como “ciganos ibéricos”, 

que vivem em Portugal e em Espanha, mas que no decorrer dos tempos se 

espalharam também por outros países da Europa e foram deportados ou 

migraram para a América do Sul.

Newsletter Amato Lusitano - Associação de Desenvolvimento
Receba em 1ª mão todas as novidades!