Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

X
Crónica: A Voz do Cigano – O Cabelo da Mulher Cigana

26/06/2020

Desta vez venho-vos contar o porquê do cabelo comprido da mulher cigana.
Nós não temos registos escritos de qualquer assunto que seja. No casamento não assinamos nenhum documento, é feito por “palavra”, ou seja, verbalmente, assumindo o compromisso desta forma. A nossa tradição é ensinada verbalmente de pais para filhos, e assim sucessivamente.


Usamos alguns símbolos como o lenço, como prova de virgindade e o cabelo
comprido como símbolo de honra e pureza da mulher cigana. A mulher pode ir ao cabeleireiro arranjar o cabelo, e até despontar, cortar um pouco mais curto, pintar etc., mas nunca cortar o cabelo muito curto ou rapar. O cabelo da mulher cigana só pode ser cortado por dois motivos: por viuvez ou por adultério.


Quando a mulher fica viúva, no ritual fúnebre, vem outra viúva das mais velhas, e faz uma trança do cabelo da recente viúva, e corta-lho o mais rente possível. Essa trança de cabelo é entregue à recente viúva para que ela a ponha nas mãos do falecido marido em cima do peito para ser enterrada juntamente com o marido.


Depois o cabelo é cortado pela própria sempre rente e para toda a vida, não o
deixando crescer.


Mas tudo isto é cumprido se assim a mulher o desejar. A mulher tem a opção de decidir cortar o cabelo ou não. Se ela decidir não cortar o cabelo é porque tem intenção de se juntar com alguém, ou seja, viver em união de factos, porque só pode casar uma vez.

Não é proibido que a mulher possa vir a viver com outro homem, mas se o fizer
perde o direito a tudo o que lhe pertencia, tais como filhos, carros, casas, dinheiro etc.

O outro motivo que a mulher cigana corta, ou neste caso cortam-lhe o cabelo, é
por adultério. Cortam-lhe o cabelo para que seja reconhecida pelo resto da
comunidade como mulher que não cumpre a tradição, e neste caso seja repudiada pelo resto da comunidade.


Neste caso esta mulher não pode participar nos rituais de casamentos como
madrinha, que é uma posição de honra, nem estar presente na prova de
virgindade da noiva.


Por estes motivos o cabelo comprido é tão apreciado no povo cigano.
É claro que é triste para quem não cumpre, mas é de grande honra para quem
o tem e cumpre com a tradição.


Esta tradição é milenária e é o que ainda nos distingue como ciganos.
Desta forma conseguimos menos divórcios e mais fidelidade.
Nos ciganos de hoje, não se leva tanto a rigor algumas das tradições, vamos
excluindo algumas que não nos são de muito benefício, tais como o abandono
escolar e o casamento precoce.

Não somos diferentes aos outros somos todos iguais, com algumas tradições
diferentes.

“Joaquim Rosendo, Mediador Municipal e Intercultural”

 

Crónica do projeto InterCOOLturas - Mediadores Municipais e Interculturais (POISE-03-4233-FSE-000036) promovido pela Câmara Municipal de Castelo Branco em parceria com a Amato Lusitano – Associação de Desenvolvimento com o objetivo de apresentar de uma forma simplista as diferentes áreas que compõem o quotidiano do povo cigano e também algumas curiosidades.

Newsletter Amato Lusitano - Associação de Desenvolvimento
Receba em 1ª mão todas as novidades!